Caminhada Noturna Decathlon Sintra – Uma experiência a repetir


A Caminhada Noturna organizada pela secção de Caminhada da loja Decathlon Sintra, com o apoio dos Trilhos Nocturnos, que conduziram o evento, e a nossa presença, que estávamos lá para vos contar tudinho, e do Vítor Sá na fotografia, correspondeu às expetativas dos participantes. Venham daí!

Bem antes da hora marcada [21h30], começaram a chegar ao ponto de encontro os primeiros aventureiros e rapidamente o grupo estava completo e pronto para iniciar esta aventura. A serra e os seus encantos noturnos aguardavam-nos.

Após um briefing inicial, no qual o staff da secção de Caminhada – o André Pacheco e o Vasco Correia – deu as boas-vindas a todos os participantes e o Bruno Marcelino dos Trilhos Nocturnos fez as apresentações – dele e do Jorge Marcelino, do Armazém de Ideias Ilimitada e do Vítor Sá – e fez questão que cada um dos presentes também se apresentasse, o grupo de mais de 30 pessoas saiu em direção à serra de Sintra. O entusiasmo reinava.


A caminhada iniciou-se ainda pela zona residencial da serra, em Vale de Flores, e daí até à primeira paragem foi um instante. E porquê, perguntam vocês? Porque caminhar com os Trilhos Nocturnos em Sintra é muito mais do "andar na serra à noite". Foi em São Pedro de Penaferrim que, aleatoriamente, a Alexandra foi escolhida pelo "comandante" Jorge Marcelino para nos ler a famosa lenda do "Túmulo dos dois irmãos", uma das muitas lendas que enriquecem a serra de Sintra.

Lenda do Túmulo dos dois irmãos
Reza a história que dois irmãos se apaixonaram pela mesma donzela, que ali vivia, e, uma noite, um deles resolveu vigiar a amada. Quando o outro apareceu, cego de ciúmes avançou sobre o irmão e apunhalou-o até à morte. Ao reconhecer o irmão sem vida a seus pés, virou para si o punhal cravando-o no peito. De acordo com a lenda, os dois irmãos foram sepultados juntos.

O grupo voltou a fazer-se "aos trilhos" e, ainda por entre ruelas da localidade de São Pedro de Penaferrim, nova paragem "obrigatória". A Capela de São Lázaro mereceu a nossa atenção e, uma vez mais, a Alexandra eloquentemente avançou na leitura da história resumida deste monumento, do qual as primeiras referências datam de finais de século XV início do século XVI. Consta que a sua atual configuração se deve a D. Leonor, na qual se identificam traços do estilo Manuelino.


Porém, esta foi também uma paragem técnica, pois o staff da Decathlon Sintra tinha reservado o momento para um reforço energético (umas barritas de cereais), que distribuiu por todos os participantes. Afinal, uma "dura" subida da serra esperava por nós.

Mais uma vez, o grupo fez-se ao caminho e mesmo antes de nos deixarmos envolver na densa floresta da serra, ainda houve tempo para nova leitura, que desta vez coube ao "caminheiro" João Santos, que nos deu a conhecer a história por detrás da "Fonte de São Pedro", que abastecia a gafaria ali existente.

Depois, começou a "aventura" propriamente dita. Como uma espécie de desafio que o staff dos Trilhos Nocturnos tem por hábito incluir nas suas caminhadas, formaram-se grupos de 4 ou 5 pessoas [isto porque com grupos grandes é difícil individualizar a experiência, como aconteceu com as miúdas do Armazém quando foram desvendar os "bastidores" dos Trilhos Nocturnos] para que, a intervalos de mais ou menos 5 minutos, avançassem, agora sim, serra adentro. O objetivo deste "ritual" é que cada participante experimente o que é "estar sozinho" no meio da serra à noite, só nós e toda aquela envolvência de sons, cheiros, penumbra e sensações.


A subida levou-nos até às imediações do chamado "Castelo do Pasteleiro", na Quinta do Monte Sereno, onde os participantes ouviram atentamente a história da sua edificação, no início do século XX, pela mão de José Gregório, o pasteleiro que deu origem às famosas queijadas de Sintra. Desta vez, quem contou a história foi mesmo o "comandante" Jorge Marcelino dos Trilhos Nocturnos.

Voltando a entrar na frondosa floresta, a caminhada continuou até chegarmos a uma espécie de clareira, ladeada por enormes penedos, onde o staff dos Trilhos Nocturnos pediu ao grupo que formasse um círculo para que, todos juntos, pudéssemos ficar um minuto em silêncio. Unidos, os aventureiros entraram em comunhão com a vida que "fervilha" na serra à noite.

Ainda antes disso, a caminho dessa clareira, um pequeno episódio digno de ser relatado. O Bruno dos Trilhos Nocturnos desafiou as miúdas a entrar numa mina de água [ficamos a saber que existem vários corredores de minas de água espalhados pela serra]. Desta vez, confesso, não ultrapassei o medo... espaço demasiado claustrofóbico. Já a Rosarinho, encheu-se de coragem, com o apoio do Bruno, e lá foi. Lá dentro, teve a sensação de que aquele é o espaço perfeito para albergar morcegos, aranhas e outro tipo de insetos... "o que me deixou 'extremamente entusiasmada'", diz ela.

Bem, seguindo a nossa Caminhada Noturna, fomos ziguezagueando pelos trilhos da serra de Sintra e, após uma nova paragem desta vez "estratégica", porque a natureza a isso obriga, e novo reforço de barritas energéticas da Decathlon Sintra, iniciámos a descida.


O percurso de regresso proporcionou novo desafio de caminhar em grupos mais pequenos, para que cada participante pudesse sentir, o mais individualmente possível, o pulsar da vida noturna na Natureza. Como já o disse, por experiência própria, ali o segredo é confiar e deixarmo-nos guiar pelos sentidos. Na descida, e por forma a eternizar esta Caminhada Noturna Decathlon Sintra, houve ainda tempo para uma fotografia de grupo.   

A cerca de 2 km do final do percurso, as miúdas do Armazém de Ideias Ilimitada tiveram a oportunidade de fazer duas perguntinhas ao André Pacheco e ao Vasco Correia, responsáveis pela secção de Caminhada da loja Decathlon Sintra. Importava saber se e qual o feedback que o staff da Decathlon estava a obter por parte dos participantes.

Para o André, "o mais importante são estes momentos de partilha que temos com os nossos clientes, que têm aqui a possibilidade de experimentar os nossos artigos, ao nível do calçado e do bastão – elementos essenciais para uma caminhada". E acrescentou, "sendo esta uma primeira experiência, e em termos de organização podemos ainda melhorar algumas coisas, acima de tudo o ânimo está muito bom, as pessoas têm gostado imenso da participação e da dinamização que tem existido ao longo do percurso, portanto, acho que é uma experiência a repetir e que os clientes estão a adorar".


Já a escolha do momento alto desta caminhada ficou reservada para o Vasco. "Acho que o ponto alto foi quando os Trilhos Nocturnos proporcionaram o momento de silêncio com vista sobre Sintra, e Lisboa. Foi um momento único, e acho que os participantes não vão esquecer aquele momento, foi mesmo especial." 

E, no final, pudemos confirmar que o grupo estava muito satisfeito com a caminhada, que para alguns foi uma estreia [tanto a caminhada na serra como o facto de ser à noite], e, o melhor de tudo, cheios de vontade de repetir a experiência. A maior parte do grupo destacou as paragens em silêncio, em plena serra, como o momento que mais lhes tocou. Esta é realmente uma outra forma de sentir a serra.

No ar ficou a hipótese de uma segunda Caminhada Noturna Decathlon Sintra, por isso, se ficaram curiosos para experimentar, fiquem atentos!

Susana Figueira

Momentos da Caminhada Noturna Decathlon Sintra em imagens, by Vítor Sá


Um dos grupos em compasso de espera para entrar na serra



O Bruno dos Trilhos Nocturnos com o staff da Decathlon Sintra

A energia e o entusiasmo foram uma constante

As miúdas do Armazém em reportagem :-)

E aqui, acompanhadas pelo nosso parceiro dos Trilhos Nocturnos, o Bruno



Sem comentários

Com tecnologia do Blogger.